Tag Archive | Papa

Não há liberdade religiosa na Coreia do Norte

AIS_CoreiaNorte_14.08.2014

“O único deus na Coreia do Norte é Kim Il Sung, Kim Jong Il e Kim Jong Un. Quem não acredita neles é perseguido”

O Papa Francisco chegou a Seul nesta quinta-feira para uma visita de quatro dias à Coreia do Sul. Um grupos de activistas dos direitos humanos publicou uma carta de boas-vindas ao Papa e pedem-lhe que chame à atenção do mundo para os graves abusos que ocorrem no país vizinho.

Reproduzimos o conteúdo da carta:

Boas-vindas ao Papa Francisco na Coreia
Recebemos com todo o coração o Papa Francisco na Coreia do Sul.
As palavras do Papa Francisco, “O Papa deve servir a todas as pessoas, especialmente aos pobres, aos fracos, aos vulneráveis“, bem como as suas ações, inspiraram milhões de pessoas. Os trinta mil desertores norte-coreanos que residem atualmente na Coreia do Sul também foram impactados pelo amor do Papa Francisco pela humanidade e perseveram apesar dos obstáculos que enfrentam.

A tragédia com o ferry Sewol deixou a Coreia do Sul em luto nacional. Como o Papa Francisco tem pedido, nós, os desertores norte-coreanos, não nos esquecemos de rezar pelas vítimas e pelas suas famílias. Derramamos lágrimas pelos estudantes falecidos.

Inevitavelmente, o desastre do ferry Sewol lembrou-nos de outra tragédia que está ocorrendo hoje na Coreia do Norte.

Assim como as vítimas da tragédia do Sewol, 25 milhões de norte-coreanos são impedidos de escapar da balsa chamada Coreia do Norte e continuam presos, aguardando lentamente a morte. Os norte-coreanos presos gritam pela nossa ajuda. É comum que famílias inteiras na Coreia do Norte morram de fome e não tenham liberdade para se deslocar dentro do país. Infelizmente, muitos norte-coreanos que tentaram fugir do ‘ferry da Coreia do Norte’ correm o risco da execução pública ou de viver o resto da vida num campo de prisioneiros políticos.

Além disso, não há liberdade religiosa na Coreia do Norte. As pessoas da Coreia do Norte não podem acreditar em Deus nem em Jesus Cristo. O único deus na Coreia do Norte é Kim Il Sung, Kim Jong Il e Kim Jong Un. Qualquer um que não acredite neles é perseguido, sofre execuções públicas ou condenações nos campos de prisioneiros políticos.

O primeiro passo para se fugir da Coreia do Norte é atravessar a fronteira com a China. Mas quando esses norte-coreanos são apanhados pela polícia chinesa são repatriados de volta para o regime. Os desertores norte-coreanos repatriados são então condenados por traição e executados publicamente ou enviados para os campos de prisioneiros políticos. Precisamos, portanto, de fazer com que o governo chinês pare de repatriar os desertores norte-coreanos.

A Comissão das Nações Unidas de Investigação dos Direitos Humanos na República Popular Democrática da Coreia fez um apelo à comunidade internacional para tomar medidas imediatas contra as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte, afirmando: “Os crimes do regime da Coreia do Norte são tão assustadores quanto os dos nazis“. Navi Pillay, do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, afirmou que não devemos atrasar a ação, porque as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte são graves e generalizadas.
Apelamos sinceramente ao Papa Francisco.

Por favor, ore pelas pessoas da Coreia do Norte, pelos desertores norte-coreanos perdidos na China e pelos duzentos mil prisioneiros dos campos de concentração de presos políticos na Coreia do Norte, para que fiquem livres da ditadura e da opressão, desfrutem da liberdade e vivam como seres humanos. Peça também, por favor, a atenção do planeta para os direitos humanos na Coreia do Norte, de modo que muitas pessoas no mundo se conscientizem da situação dos direitos humanos na Coreia do Norte. Por favor, mande uma mensagem forte sobre a liberdade religiosa ao regime norte-coreano, para que o coração de muita gente na Coreia do Norte seja aliviado. Por fim, pedimos a sua forte oração pela reunificação da Península Coreana e pela liberdade do povo norte-coreano.

Nosso sincero agradecimento.
Atenciosamente,

Associação Cristã Norte-Coreana
Centro PEN de Escritores Norte-Coreanos no Exílio
Rádio Reforma da Coreia do Norte
Comitê para a Democratização da Coreia do Norte
Fórum da Juventude pela Democratização da Coreia do Norte
Aliança de Jovens Desertores Norte-Coreanos pelos Direitos Humanos
Frente de Libertação do Povo da Coreia do Norte
Centro de Estratégia da Coreia do Norte
Sociedade de Camaradas Sungwei
Associação pelo Sucesso da Reunificação Coreana (PSCORE)
Instituto Mundial de Estudos sobre a Coreia do Norte
Associação de Vigilância da Coreia do Norte
Intelectuais Solidários da Coreia do Norte
Rádio Coreia do Norte Livre
Guerreiros da Liberdade da Coreia do Norte
Associação Coreia do Norte Livre
Associação Coreana de Direitos Humanos dos Refugiados da Coreia do Norte
Associação dos Direitos Humanos das Mulheres Refugiadas Norte-Coreanas
Associação dos Desertores Norte-Coreanos
Associação Hana de Mulheres

Anúncios

“A liberdade religiosa é um direito fundamental”

AIS_Papa_Francisco_29.05.2014

Papa recebido por líderes cristãos e muçulmanos na chegada ao aeroporto internacional Rainha Alia / Muhammad Hamed/Reuters

O papa Francisco apelou em Amã, na Jordânia, para que seja encontrada “com urgência” uma “solução pacífica” para a crise síria e uma “solução justa” no conflito israelo-palestiniano, indispensáveis para uma “paz duradoura” na região.

“Encorajo as autoridades do reino jordano a perseverar os seus esforços para encontrar uma paz duradoura em toda a região. Este grande objetivo necessita de urgência para que seja encontrada uma solução pacífica na crise síria, bem como uma solução justa  no conflito israelo-palestiniano”, afirmou o papa argentino no início da sua primeira visita ao Médio Oriente.

Falando pouco depois de ter chegado a Amã, o líder religioso afirmou que os cristãos devem ser considerados “cidadãos por todo o Médio Oriente”.

“A liberdade religiosa é um direito fundamental e nós esperamos que esta seja tida em consideração em todo o Médio Oriente. Tal [liberdade] inclui a liberdade individual e coletiva de seguir a sua própria consciência em matéria religiosa: ou seja, a liberdade de culto, a liberdade de escolher a religião que cada um acredita ser verdadeira e de expressar publicamente a própria fé”, sublinhou o papa, perante o rei Abdullah II da Jordânia, por quem foi recebido.

Ler mais

Multidão acompanha Missa na Praça da Revolução



Havana – “A verdade é um anseio do ser humano, e procurá-la supõe sempre um exercício de liberdade autêntica.” Palavras claras, simples e sinceras de Bento XVI pronunciadas na homilia desta quarta-feira, 28, em Havana, último encontro multitudinário desta importante visita à América Latina.

Na emblemática Praça da Revolução, como o próprio Pontífice a definiu, o cenário leva à reflexão: do palco montado no estilo das antigas casas cubanas, em frente da estátua imponente do pai da pátria, José Martí, Bento XVI via, do seu lado esquerdo, a escrita “A caridade nos une”, à sua frente, as duas imagens características impressas nos prédios que formam a Praça, Che Guevara e Camilo Cienfuegos, heróis da revolução, e do lado direito, a imagem de Nossa Senhora da Caridade do Cobre, com a escrita a “Jesus por Maria”. Normalmente, a Praça emana a energia dos anos revolucionários, hoje emanava a esperança, a palavra de vida, de verdade e liberdade que nos trouxe Jesus Cristo.

Cerca de 300 mil pessoas participaram com espírito recolhimento, e ouviram atentas as palavras do Papa, que, sob a proteção da Virgem da Caridade, promoveu um raro momento de reconciliação, de união do povo cubano. Estava presente também o Presidente Raúl Castro, que não perdeu a ocasião de saudar novamente o Pontífice.

Se a verdade é mal interpretada, advertiu Bento XVI, leva à irracionalidade e ao fanatismo. “Não hesitem em seguir Jesus Cristo”, exortou, recordando que esta mensagem é a razão de ser da Igreja. Todavia, para difundir a Boa Nova, os fiéis precisam ser livres – termo usado 14 vezes na homilia. O Papa reconhece os passos feitos na relação entre Igreja e Estado, mas pede mais, pede que avancem ulteriormente. Uma menção também foi reservada ao sacerdote Félix Varela, filho ilustre desta cidade e que entrou na história de Cuba como o primeiro que ensinou seu povo a pensar – missão esta que a Igreja também reivindica nos ambientes de formação e nos centros universitários.

fonte: Rádio Vaticano

Leia aqui a homilia do Papa em língua portuguesa.

%d bloggers like this: