Vaticano: Bento XVI condena ataques à liberdade religiosa

Papa diz que este direito é «ainda limitado ou violado» em relação às comunidades cristãs

Cidade do Vaticano, 09 jan 2012 (Ecclesia) – Bento XVI apelou hoje ao “respeito pela liberdade religiosa” em todo o mundo, afirmando que este é um direito que “com demasiada frequência e por diversos motivos, continua a ser limitado ou violado”.

“Trata-se do primeiro dos direitos do homem, porque expressa a realidade mais fundamental da pessoa”, disse o Papa, no Vaticano, durante o encontro anual com os membros do corpo diplomático acreditado junto da Santa Sé.

O discurso evocou a figura do ministro paquistanês Shahbaz Bhatti, “cuja luta incansável pelos direitos das minorias terminou com uma morte trágica”, no dia 2 de março de 2011, quando foi assassinado a tiro.

“Não se trata, infelizmente, de um caso único”, lamentou Bento XVI, para quem a liberdade religiosa tem “uma dimensão individual”, “coletiva” e “institucional”.

O Papa afirmou que “em numerosos países, os cristãos são privados dos direitos fundamentais e postos à margem da vida pública; noutros, sofrem ataques violentos contra as suas igrejas e as suas casas”.

“Às vezes, veem-se constrangidos a abandonar países que eles mesmos ajudaram a edificar, por causa de tensões contínuas e por políticas que frequentemente os relegam para a condição de espetadores secundários da vida nacional”, alertou.

Bento XVI criticou ainda as “políticas tendentes a marginalizar o papel da religião na vida social”, como se ela fosse “causa de intolerância em vez de uma apreciável contribuição na educação para o respeito da dignidade humana, para a justiça e a paz”.

A este respeito, contudo, o Papa admitiu que “o terrorismo religiosamente motivado ceifou, no ano passado, também numerosas vítimas, sobretudo na Ásia e na África”, assinalando que “a religião não pode ser usada como pretexto para pôr de lado as regras da justiça e do direito em favor do ‘bem’ que ela persegue”.

O discurso papal enunciou, por outro lado, “alguns sinais encorajadores no campo da liberdade religiosa”, como o reconhecimento da “personalidade jurídica pública das minorias religiosas” na Geórgia ou a sentença do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos “favorável à presença do crucifixo nas salas de aulas italianas”.

“Espero que a Itália continue a promover uma relação equilibrada entre a Igreja e o Estado, constituindo deste modo um exemplo para o qual as outras nações possam olhar com respeito e interesse”, disse ainda.

Fonte: Agência Ecclesia (OC)

Anúncios

About Fundacao AIS

Organização internacional católica, dependente da Santa Sé, cuja missão é ajudar os cristãos perseguidos por causa da sua fé. Procura estar atenta às várias situações de necessidade destes cristãos, particularmente a falta de liberdade religiosa. Para isso, publica periodicamente um Observatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo www.fundacao-ais.pt/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: