Queima do Alcorão nos EUA enfurece Afeganistão

Onda de violência atinge o país
A “tempestade perfeita” causada pelos pastores evangélicos americanos Terry Jones e Wayne Sapp, que, após um breve “julgamento”, queimaram em público, em 20 de março, uma cópia do Alcorão em Gainesville (Flórida), continua ceifando vidas.O epicentro da ira muçulmana foi neste fim de semana, no Afeganistão, onde uma onda de manifestações e protestos de grupos muçulmanos locais terminou com um resultado terrível: 20 pessoas mortas, incluindo 7 estrangeiros que trabalhavam para as Nações Unidas, e dezenas de feridos.

A violência explodiu na sexta-feira, 1º de abril, na província setentrional de Balkh, quando, na cidade de Mazar-i-Sharif – considerada relativamente calma -, uma turba enfurecida invadiu a sede da ONU depois da oração no famoso santuário da Mesquita Azul (o nome da cidade significa “Nobre Santuário”).

Tendo atacado e desarmado os seguranças, que haviam recebido a ordem de não atacar, os manifestantes destruíram os escritórios e começou a caça aos funcionários no prédio. Alguns deles, que tentaram se refugiar em um ‘bunker’, também foram mortos. Trata-se de três funcionários europeus da ONU, incluindo uma mulher, a norueguesa Siri Skare. Os outros dois europeus são Joakim Dungel e Filaret Motco, de nacionalidade sueca e romena, respectivamente. Pelo menos 4 manifestantes foram mortos durante o assalto, bem como 4 guardas de segurança nepaleses (ex Ghurka) da ONU.

A Missão das Nações Unidas de Assistência ao Afeganistão (UNAMA) está presente no país da Ásia Central desde 2002 e atualmente é dirigida pelo diplomata sueco Staffan de Mistura, nomeado enviado especial pelo secretário-geral, Ban Ki-moon, em janeiro de 2010. A missão está dividida em 8 escritórios regionais e 15 escritórios provinciais, e emprega 1.500 pessoas; quase 80% delas são afegãs. O ataque de sexta-feira foi o mais sangrento realizado contra a ONU no país.

No último sábado, 2 de abril, houve uma manifestação na cidade sulista de Kandahar. Segundo o ‘New York Times’, milhares de manifestantes, entre os quais havia pessoas armadas, haviam se infiltrado na marcha, incendiaram em primeiro lugar uma escola secundária para meninas, financiada pelos Estados Unidos – a ‘Zarghona Ana High School for Girls’; em seguida, incendiaram carros e um ônibus; quando tentaram chegar ao escritório local da Organização das Nações Unidas, intervieram forças de segurança afegãs, que abriram fogo. Embora o chefe da polícia provincial, Khan Mohammad Mojayed, tenha negado que seus homens atiraram diretamente contra os manifestantes, também em Kandahar falamos de um resultado terrível: pelo menos 9 mortos e 90 feridos.

Enquanto isso, houve manifestações mais pacíficas, no domingo 3 de abril, em Jalalabad; e nos dias passados, na capital Cabul, na cidade ocidental de Herat e na província de Takhar.

Segundo um porta-voz do governo da província de Balkh, Sher Jan Durani, entre 20 manifestantes detidos após os distúrbios na cidade de Mazar-i-Sharif, havia várias pessoas armadas. O suposto cérebro por detrás da violência – assim especificou o número dois da polícia da província, Rawof Taj – é da província de Kapisa, um reduto da insurgência. E em Kandahar, alguns manifestantes agitaram bandeiras brancas, a cor do movimento talibã, tal como referido pelo ‘Washington Post’. Por outro lado, o movimento fundamentalista negou seu envolvimento. Também o diretor da missão da ONU no Afeganistão acusou o movimento dos talibãs ou grupos de insurgentes afiliados aos chamados “estudantes”.

Por sua vez, o presidente americano, Barack Obama, expressou suas condolências às famílias das vítimas do assalto e definiu a recente queima do Alcorão como “um ato de extrema intolerância e de fanatismo”. Ao mesmo tempo, pode-se ler num comunicado da Casa Branca que o gesto de Jones e Sapp não justifica a matança de pessoas inocentes, que “é repugnante e uma afronta à decência e à dignidade humana” (‘Associated Press’, 2 de abril).

Mas Terry Jones não demonstrou arrependimento. Inclusive o pastor da ‘Dove World Outreach Center ‘- uma pequena igreja evangélica fundada em 1986 – aumentou a dose. “Devemos considerar esses países e essas pessoas responsáveis ​​por tudo aquilo que fizeram e de qualquer desculpa que usaram para promover suas atividades terroristas. Chegou a hora de responsabilizar o Islã”, disse (‘The Daily Mail’, 2 de abril). “O Islã não é uma religião de paz”, continuou ele, convidando o governo dos EUA e as Nações Unidas a tomarem medidas contra aqueles que espalham o ódio contra os cristãos e as minorias.

Em qualquer caso, para a BBC, que na sexta-feira publicou um perfil de Jones, o pastor já era uma pessoa problemática antes de seu polêmico projeto do “Burn a Koran Day”. Antes de assumir a liderança do ‘Dove World Outreach Center’, Jones havia fundado, em Colônia (Alemanha), uma igreja evangélica – a ‘Christliche Gemeinde Köln’ – que abandonou por causa das divergências em 2008. Um tribunal administrativo falhou contra Jones em 2002, pelo uso indevido do título de “doutor”. O pastor também foi acusado pela própria filha, Emma Jones, e por um ex-membro de sua igreja de abusos financeiros. O pastor também teve problemas com as autoridades fiscais da Flórida, por violar o status de isenção fiscal que a sua igreja tem.

Para a missão da ONU e as forças internacionais presentes no Afeganistão, a nova violência é fonte de preocupações. Enquanto a transferência da responsabilidade da segurança para os afegãos deveria estar concluída antes de 2014, há pouco mais de uma semana, o presidente Hamid Karzai anunciou que certamente a cidade de Mazar-i-Sharif será uma das primeiras áreas a voltar sob o controle do Afeganistão. A transferência das indicações deveria ocorrer no próximo dia 1º de julho, como observado pela agência ‘France-Presse’ (3 de abril).

Por Paul de Maeyer (ZENIT.org)

Anúncios

About Fundacao AIS

Organização internacional católica, dependente da Santa Sé, cuja missão é ajudar os cristãos perseguidos por causa da sua fé. Procura estar atenta às várias situações de necessidade destes cristãos, particularmente a falta de liberdade religiosa. Para isso, publica periodicamente um Observatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo www.fundacao-ais.pt/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: